De “A” a “Z”, a destruição dos direitos trabalhistas